quarta-feira, janeiro 25, 2006

Plantas invasoras vs plantas indigenes

Ao chegar a São Miguel é impossível ficar indiferente ao verde que ainda hoje toma conta da paisagem. Contudo, actualmente apenas podemos vislumbrar uma pequena amostra daquilo que Diogo Silves e seus homens terão encontrado quando cá aportaram.

A vegetação autóctone encontra-se hoje em dia extremamente limitada a pequenos redutos que constituem verdadeiras ilhas num mar de flora infestante. Os números não enganam, das cerca de 1000 espécies de plantas existentes por toda a ilha apenas 300 fazem parte da flora natural de São Miguel, das quais 60 são endemismos extremamente raros constituindo verdadeiros ex-libris como é o caso da Vidália (Azorina vidalii), uma das mais belas espécies da flora açoriana.

Nome científico: Azorina vidalii (H.C.Watson) Feer
Nome comum: Vidália

Familia: Campanulaceae
Género: Azorina Feer

Observações: Género endémico dos Açores. Espécie protegida pela Convenção de Berna e pela Directiva Habitats.


Plantas invasoras versus plantas indigenes, este é sem a menor das dúvidas o maior conflito da Mãe Natureza nos últimos séculos, onde a Laurisilva, designação provem do latim, Laurus (loureiro, lauráceas) e Silva (floresta, bosque), está constantemente a perder terreno numa luta cada vez mais desigual. Considerada um autêntico fóssil vivo, esta dominava a paisagem durante a era Terciária no Sul da Europa e no Norte de Africa tendo ficado confinada, graças a glaciações, aos diversos arquipélagos Macaronésicos (Açores, Canárias, Cabo Verde e Madeira). A Reserva Florestal Natural do Pico da Vara, situada na região Oriental de São Miguel é um bom exemplo, uma vez que detém uma vasta e importante área florestal, onde podem ser encontradas 80% das espécies endémicas do arquipélago açoriano. Hoje a Laurissilva é considerada Património Mundial da UNESCO.

Esta Reserva alberga ainda quase todas as espécies da avifauna terrestre açoriana, servindo ainda de habitat ao único morcego endémico dos Açores, o Nyctalus azoreum , que tal como o priôlo (Pyrrhula murina) , ave extremamente ameaçada de extinção, é uma das espécies emblemáticas da fauna açoriana.
Nome científico: Pyrrhula murina
Nome comum:
Priôlo
Género:
Pyrrhula
Observações: Espécie em vias de extinção.

Tanto as áreas onde o Priôlo praticamente não ocorre, bem como aquelas onde ocorre, estão a ser rapidamente invadidas por Clethra arborea, Incenso e Conteira. A floresta está a sofrer transformações rápidas e a maior parte das plantas exóticas infestantes influenciam negativamente esta espécie.
Para proteger o Priôlo a longo prazo é necessário proteger e gerir a floresta endémica de altitude na parte Leste da ilha de S. Miguel. Por um lado, a expansão de plantas exóticas deverá ser controlada, caso contrário a comunidade de plantas endémicas corre o risco de deterioração em larga escala. Por outro lado, é essencial recuperar e expandir a área de floresta natural através de plantações. É especialmente necessário o aumento das populações de plantas produtoras de botões florais consumidos pelo Priôlo: Azevinho e Ginja.
O Priôlo e o seu habitat constituem um património natural açoriano de valor mundial e necessitam de medidas de gestão efectivas para a sua preservação.

Para mais informações sobre o Priôlo: http://www.geocities.com/priolo7/priolo.html

1 Comments:

At janeiro 26, 2006 6:12 da tarde, Blogger Jardineira aprendiz said...

Olá, gostei de ver o assunto das invasões biológicas abordado num blog. Em Portugal há um grupo de pessoas a lutar pela divulgação deste problema grave, foram elas que me sensibilizaram para o problema. O site delas é http://www.uc.pt/invasoras/invasoes.htm
Espero que continue com o seu blog, achei muito interessante.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home